quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Lançamento de "Carnaval", de Luiza Trigo

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Solidão

.
Acordo com um derradeiro soluço do pranto sonhado. E uma última lágrima desliza por minha face como a carícia de um beijo vindo do bem amado. Estou sozinha nesta estrada longa da qual não vejo fim, com seus alvores amadurecendo em escuridões neste meu tenebroso destino. O perfume da saudade me embriaga dando a certeza latente e angustiante de que o que foi não o será uma vez mais.

Marina V. Medeiros



Marina V. Medeiros é viúva, tem 83 anos e escreve no blog Ditos de Marina.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Poema de Joana Rabelo


a gente vai se acostumando
a viver de farelo
e migalhas
como um vira-lata
que apanha e sonha
com pão inteiro
e mesa farta


Joana Rabelo

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

O Plástico Bolha chega ao Museu da Língua Portuguesa




Para quem pensava que museu é um lugar dedicado à memória de culturas extintas, raridades e objetos antigos, o Museu da Língua Portuguesa veio dar um novo tom à palavra, pois, nele, a ideia é cultivar, valorizar e difundir um patrimônio imaterial que não poderia estar mais vivo.
Por uma grande coincidência, no mesmo dia 21 de março de 2006, em que era inaugurado o Museu da Língua Portuguesa em São Paulo, um pequeno jornal começava a circular pelos pilotis da PUC-Rio: o Plástico Bolha. Desde então, os dois se dedicam a esse mesmo propósito de cultivar a literatura disseminando-a. Em ambos, vibra essa inquietação constante da língua.

Portanto, como não poderia deixar de acontecer, o Plástico Bolha finalmente chega ao museu da charmosa Estação da Luz de São Paulo. Para o jornal, é uma alegria e uma satisfação ser distribuído em um lugar onde a língua portuguesa e a literatura são valorizadas e homenageadas a todo momento. Agradecemos muito à Direção do Museu pela generosidade e por ter firmado conosco essa parceria.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

FIGUEIRA DA FOZ

.
Eram de Figueira da Foz
Os meus avós.

Figueira,
Árvore sagrada,
Leitosa,
Cujos frutos
Se abrem roxos,
Testículos do outono.

Foz,
Encontro do rio e do mar,
Lá onde a areia é cor de prata
E forma uma renda
De espuma e nata
Pela costa atlântica.

Deixaram a pesca,
O sal,
Os navios,
Os molhos de trigo
E atravessaram o oceano
Rumo à América.

O vento moderado soprava,
O relógio girava na torre,
A claridade era forte na praia
Quando meus avós
Vieram de Figueira da Foz.

Um albatroz acompanhou a viagem,
Em nenhum momento se sentiram sós,
Havia um chamado,
Uma missão,
Uma voz
E aportaram no cerrado.

O tempo passou tão veloz
Desde que meus avós
Chegaram de Figueira da Foz,
Por isso há dentro de nós
Sementes de figo
E gotas do Mondego.

Raquel Naveira

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Evento de lançamento da edição #30

.
.
O lançamento da edição #30 do jornal Plástico Bolha será na próxima quinta-feira, 09/02, às 19:30, no espaço da Editora Oito e meio, no Flamengo (Travessa dos Tamoios 32c).

Com a participação de:

Ana B.
Augusto Guimaraens Cavalcanti
Breno Coelho
Bráulio Coelho
Flávia Muniz
Isabella Pacheco
Leonardo dos Santos Dias
Pedro Rocha
Vania Osório

Venha buscar seu exemplar e assistir aos poetas lendo os textos que estão na edição. Venha que é tudo genial, gostoso e gratuito!
.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Nos cafés


A letargia dos domingos minguados

Os cafés com seus livros
E petits gateaux


Na sinestesia dos odores, dores
A burguesia cheira a ar condicionado

- Dê-me um expresso, por favor.

Eu fico com uma fanta lata
E um coquetel de pãezinhos de queijo

A mochila na cadeira ao lado
Cede lugar a um moço que eu não convidei.

- Também sou poeta.

Todos somos, meu caro.


Iago Souza


Iago Souza é mineiro de Contagem, grande BH, tem 16 anos e um vasto caminho pela frente. Publica parte de seu trabalho no blog Intérprete de si.